Beja no coração

Foi o que trouxe do 2º Trail Run Escoteiros de Beja! Percebi nesta prova que há coisas que não se questionam! Não tinha ligação à da zona, nem fui escoteira por isso, só mesmo o gosto que tenho pela modalidade era a melhor razão para aceitar o convite para madrinha desta prova. Aceitei, e antes de chegar já era recebida com um abraço forte! Foi uma experiência muito gratificante.

Uma prova organizada com tanto carinho só poderia dar certo. E é muitas vezes nestas provas, de primeiras edições, que sinto o quanto se dá a esta modalidade, a emoção de pequenas grandes conquistas que muitos ainda estão a descobrir o trail.

Apesar de gostar de distâncias maiores, era a primeira prova do ano, optei por correr na distância de 24km. Uma prova bastante corrivel para desfrutar das paisagens desafogadas e dos olivais. Passar pelas aldeias de Penedo Gordo e  Boavista é um ponto alto da prova. Aldeias típicas alentejanas com os habitantes a aplaudir à nossa passagem. Foi bom de ver e sentir.

Apesar de ter chegado ao fim da prova com mais 100m D+ do que previsto, o maior desafio para a organização será trazer mais altimetria à prova.

Tenho um colega de equipa alentejano que diz que o treino se faz à mesa. Pois bem, nunca percebi muito bem o que queria dizer, mas fiquei com a ideia que devo o pódio alcançado ao pãozinho alentejano e à cachupa vegetariana deliciosa que me serviram de véspera! 🙂

O Grupo de Escoteiros de Beja  além de impulsionar esta prática desportiva e o turismo na zona pretendia ajudar os Bombeiros Voluntários com um donativo por parte dos participantes. Uma ação de solidariedade que foi celebrada juntamente com os atletas.

Deixo-vos o convite para colocarem na agenda a edição do próximo ano e aproveitarem para “viver” Beja.


4 Comments

Say Something